Monday, October 24, 2005

SOCIALISMO SELVAGEM

Por MARIA LUCIA VICTOR BARBOSA 22/10/2005
Homem primata socialismo selvagem ohohoh!!!

No Brasil, onde é politicamente correto ser de esquerda, sempre se criticou o capitalismo selvagem, com especial ênfase no capitalismo norte-americano. Naturalmente, nunca nos importamos de passar o chapéu para que o FMI resolvesse os problemas gerados pelos governos por nós eleitos, e que tradicionalmente se mostraram perdulários, incompetentes e corruptos, com as honrosas exceções de sempre. Agora temos novidade. O primeiro presidente de esquerda do Brasil, conforme alardeado no dia da vitória triunfal de Luiz Inácio e do seu partido, o PT, instaurou no país o socialismo selvagem cujos pilares são: o marxismo de mercado, os recursos não contabilizados e a piada de salão. O marxismo de mercado consiste em tentar fazer o que a China faz, ou seja, a mais pura economia de mercado num país politicamente socialista. Como estamos anos-luz atrás dos chineses e nossa realidade sócio-econômica nada tem a ver com a deles, os homens do presidente acabaram por nos por em situação difícil diante do colosso asiático. Na ânsia de conquistar o almejado assento no Conselho de Segurança da ONU, o Brasil declarou a China economia de mercado e agora nossos empresários, faltos em competitividade, se desesperam para obter salvaguardas que os livre da concorrência daqueles adoráveis e baratos produtos chineses que começam a inundar nossas lojas com atraentes e desejáveis mercadorias. Em que pese o fracasso dos negócios da China, o governo persiste em sua ortodoxia macroeconômica, que se não encontra o esperado respaldo na China, na Rússia ou na União Européia, segue comercialmente atrelado ao odiado Estados Unidos. Assim, apesar de todo blábláblá sobre a decadência capitalista e a conversa mole de que este sistema cruel está nas últimas, enquanto os governantes petistas sonham com o dia em que poderão transferir o capital dos particulares para seus bolsos, “o mundo moderno”, conforme disse Henry Louis Mencken, “tanto pode dispensar o capital acumulado quanto a polícia ou as ruas pavimentadas”. Os recursos não contabilizados compõem outro elemento intrínseco do socialismo selvagem, variante petista. Eufemismo semântico para o caixa 2, a maracutaia foi consagrada pelo presidente Luiz Inácio. Segundo ele, todo mundo faz, portanto, não tem a mínima importância fazer também. O ministro da Justiça disse que caixa 2 é crime e Collor foi julgado politicamente e cassado por causa de caixa 2, mas para o presidente tal ação é um pecadilho sem importância, desde que seja, é claro, praticado pelos seus. Aos outros, o rigor da lei, especialmente da lei do ministro Nelson Jobim, presidente do Supremo Tribunal Federal. E conforme o presidente do PT, Ricardo Berzoine, temos “caixa 2 com corrupção” e caixa 2 sem corrupção”. Traduzindo, a deles e a dos outros. Também as diabruras dos deputados petistas, que receberam do Office-boy de luxo do PT, Marcos Valério, quantias respeitáveis, são perdoadas pelo presidente. Apoiando o chefe, o companheiro Tarso Genro diz que caixa 2 “é um problema grave, mas meramente tributário”.Isso significa, que no socialismo selvagem onde o limite entre a moral e a imoralidade se esvaiu, temos a corrupção do bem e a corrupção do mal. O terceiro pilar foi construído por Delúbio Soares. Para o ex-tesoureiro do PT, tudo que se passa agora em seu governo e em seu partido, incluindo os mensalões e outras falcatruas, será logo considerado como piada de salão. Desse modo, ao mesmo tempo em que se relativiza os crimes cometidos pelo poder público e se consagra a desfaçatez, o socialismo selvagem medra na mais plena certeza de impunidade dos que comandam o crescimento do espetáculo da corrupção. Nesse sistema não é de se espantar que o Índice de Percepções de Corrupção, da Transparência Internacional, divulgado em 18 de outubro desse conturbado 2005, tenha mostrado o Brasil como país com grave nível de corrupção, ocupando a 62ª posição de um total de 158 países, sendo que no ano passado estávamos em 59º lugar num universo de 158 países. E enquanto o tempo passa, seguem no Congresso as manobras da tropa de choque petista e de seus aliados para salvar da cassação José Dirceu, o Inocêncio, além dos companheiros deputados que já foram denominados jocosamente de “gang dos cinco”.

Assim, no saldo final das CPIs, é capaz de restarem dois cassados: Roberto Jefferson, que se cometeu erros foi o único a falar a verdade, e o brilhante e combativo deputado do PFL, Onyx Lorenzoni, que corajosamente levantou uma ponta do véu de falsa vestal de José Dirceu, que já havia assinado uma confissão de culpa quando obedeceu prontamente a ordem de Roberto Jefferson para deixar rapidinho seus imensos poderes governamentais. E assim vamos nós, embalados pelo socialismo selvagem que se refestela na mentira, se locupleta na corrupção, administra pelo cinismo, se impõe pela falsa propaganda e tem dado demonstrações de total incompetência.
Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga.