Monday, October 24, 2005

SEM OMBRO AMIGO

David Stival deixa a presidência estadual do PT desiludido, amargurado e arrependido por ter acionado a chave do caixa 2. Até agora, nenhuma manifestação de solidariedade ao bravo e leal companheiro.

Reportagem do Jornal Correio do Povo de 22 de outubro de 2005.por Simone Iglesias

Há quatro anos comandando o PT do Rio Grande do Sul, David Stival deixará a presidência do partido no próximo sábado frustrado com apolítica e decidido a nunca mais voltar a ter cargo de dirigente.Recusou convites da Via Campesina e do Movimento dos PequenosAgricultores para concorrer a deputado em 2006 e quer, a partir de novembro, se dedicar integralmente às aulas de Antropologia Cultural,Ética, Cultura Religiosa e Sociologia que ministra em uma universidade. 'Nunca mais farei política partidária. Não vivenciei uma grande alegria nestes quatro anos, só administrei conflitos e dei explicações. A visão de que partido busca o bem comum não existe,todos se esforçam só para chegar ao poder. Não tenho mais estômago para agüentar esse tipo de debate rebaixado', argumentou.Stival disse estar decepcionado com o PT e observou que esse sentimento não surgiu agora com os escândalos de corrupção e de caixa2 protagonizados por integrantes do governo e de seu partido. As brigas entre as correntes internas e o fato de o presidente Lula ter dado as costas ao programa histórico do PT fazem parte desse processode desgosto que Stival vivencia. 'A disputa interna tornou-se desqualificada. Há muito cinismo e muita hipocrisia, o ambiente é mesquinho. Ninguém mais discute temas importantes e problemas que precisam ser resolvidos no país. Todo mundo passa o tempo inteiro cuidando da reeleição', afirmou. No que diz respeito ao presidente Lula, esperava que proporcionasse transformações sociais, o que não viu acontecer.