Monday, October 17, 2005

OPINIÃO ECONÔMICA

Caindo na real
MARCOS CINTRA

O presidente Lula costuma se vangloriar ao dizer que seu governo foi responsável por o país não ter ido à lona por conta da crise política deflagrada em 2002. De fato, a política econômica adotada em seu governo evitou a "débâcle" da economia ao se manter fiel aos ditames da cartilha do FMI.
No primeiro ano de Lula, a economia registrou seu pior desempenho desde 1998. Houve relativa melhora em 2004, com o PIB crescendo 4,9%, e em 2005 a previsão é que cresça um pouco acima de 3%. Em razão desses números, o presidente foi acometido de incontido triunfalismo. Em seu discurso, há a impressão de que somos a versão latina dos tigres asiáticos.Nesse cenário de efusiva jactância, estrategicamente criado como forma de amenizar a crise política, torna-se oportuno comparar o que vem ocorrendo no Brasil em relação a outros emergentes.
O combate à inflação tem sido uma das principais diretrizes das nações em desenvolvimento. A adoção do sistema de metas de inflação em vários países foi um mecanismo que obteve sucesso ao combinar queda na inflação com elevação do PIB.
Na tabela acima, vê-se que no grupo de emergentes que formam o denominado Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) ficamos cada vez mais para trás. A Rússia, que em relação a 2000 reduziu à metade a inflação, cresce em média 6,2% ao ano. A Índia e a China, países em que a inflação se mantém baixíssima, registram PIB em expansão média de 6,6% e 9,1%, respectivamente. Enquanto isso, o Brasil segue com inflação no mesmo nível de cinco anos atrás e a economia crescendo menos de 3%.
Quando comparado com emergentes do continente americano, o quadro também não é cômodo para o Brasil.A Argentina, que foi à lona em 2002, recuperou-se de modo impressionante e cresce em média mais de 8% ao ano desde 2003. O Chile mantém inflação baixa, e sua economia cresceu mais de 6% no ano passado e deve repetir o número em 2005.A Estônia, a Letônia e a Lituânia são economias com inflação anual na casa dos 3% e PIB crescendo 7,5% ao ano. Vale ressaltar que todo o Leste Europeu experimenta forte expansão econômica por conta das reformas que estão em curso naqueles países, com destaque para as que vêm sendo empreendidas na área tributária e que enumerei no artigo "O Imposto Único na Europa", publicado nesta coluna no dia 3.
A euforia do governo Lula não tem fundamentos sólidos. Nossa economia registra desempenho medíocre, que só não é pior porque países como EUA e China, que representam juntos mais de um terço do PIB mundial, cresceram em 2004 4,4% e 9%, respectivamente. Nesse embalo, o Brasil aproveita a maré boa da economia internacional e registra seu pífio crescimento por conta da expansão das vendas externas. Mas até quando a situação vai durar?
Lamentavelmente, o comodismo e o conservadorismo prevalecem em nosso país. As reformas fundamentais e "inadiáveis" não foram implementadas, nem por este governo nem pelos que lhe antecederam. Enquanto isso, os investimentos se mantiveram abaixo de 20% do PIB, quando precisamos algo acima de 25%.
Já a carga tributária disparou, para se aproximar de 40% do PIB.O Brasil precisa mirar nos países que foram capazes de empreender mudanças de impacto em suas economias e que hoje colhem crescimento vigoroso. A reforma tributária, por exemplo, foi um fiasco no governo Lula e hoje é um dos principais entraves aos investimentos, segundo o Banco Mundial. Além disso, o Fórum Econômico Mundial detectou que temos o sistema tributário mais ineficiente do mundo. E a reforma político-eleitoral, chamada corretamente de mãe de todas as reformas, não saiu do papel, nem com a oportunidade criada pela crise política que atravessamos.Definitivamente, a economia brasileira não vai bem.

Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque, 59, doutor pela Universidade Harvard, professor titular e vice-presidente da FGV, foi deputado federal (1999-2003). Atualmente é secretário das Finanças de São Bernardo do Campo. É autor de "A verdade sobre o Imposto Único" (LCTE, 2003). Escreve às segundas-feiras, a cada 15 dias, nesta coluna.Internet: http://www.marcoscintra.org/ E-mail - mcintra@marcoscintra.org