Monday, August 22, 2005

A MALDIÇÃO DE SANTO ANDRÉ

A maldição de Santo André
O PT não conhecerá a paz enquanto impedir que se conceda a Celso Daniel o descanso eterno, adiado desde seu assassinato em janeiro de 2002. O PT sofrerá a insônia dos aflitos enquanto evitar o esclarecimento da trama que levou à execução do prefeito.
Por cumplicidade ou omissão, Altos Companheiros se tornaram carrascos também - e estenderam ao partido a maldição de Santo André. O barulho da festa da vitória de Lula tornou inaudíveis, por algum tempo, os ruídos no sótão. Os fantasmas logo voltaram a mover-se. E nunca pareceram tão agressivos quanto agora.
Eles desmataram o caminho que conduziu à descoberta medonha: o dinheiro sujo de Marcos Valério pagou os honorários do advogado contratado pelo PT, em setembro de 2002, para sepultar o caso. O escolhido para a missão foi Aristides Junqueira, ex-procurador-geral da República. Preço do trabalho: R$ 545.000. Mais de meio milhão. O PT não achou caro. O homem da mala já se infiltrara no barco da esperança.
Caberia a Junqueira: ''atuar em medidas judiciais e extrajudiciais necessárias para proteger a boa imagem do partido, em face das ações do Ministério Público de São Paulo, relativamente à comarca de Santo André''.
Partido preocupado com a imagem contrata publicitário. Advogado é coisa de quem se mete em ações criminosas. Celso Daniel já não precisava de defensores. De quais ameaças e culpas o PT planejava proteger-se?
Entrevistado há dias pela revista Veja, o jurista Hélio Bicudo, petista histórico, jogou luzes sobre o estranho comportamento de dirigentes do partido. ''Houve uma intervenção do PT logo depois do crime'', revelou Bicudo.
''A direção queria caracterizar o assassinato como crime comum, do que eu discordo'', disse. ''O que houve foi a eliminação do Celso, ou porque ele não concordava com a corrupção ou porque quis interromper o processo num determinado ponto''. Na semana passada, a Polícia Civil de São Paulo foi instruída para juntar-se aos promotores que nunca cessaram de investigar a história.
O doleiro Toninho da Barcelona se dispôs a revelar detalhes do crime em troca da redução da pena que cumpre. Na quinta-feira, a CPI dos Bingos entrou no caso: decidiu ouvir o que tem a dizer o médico João Francisco Daniel. O irmão do prefeito nunca aceitou a versão do crime comum. Garante ter ouvido de Celso que fora montada em Santo André uma operação destinada a desviar dinheiro para campanhas do PT.
João Francisco afirma que o esquema foi monitorado por José Dirceu. O ex-ministro prometeu processar o acusador. O sonho de João Francisco é a acareação com o homem devolvido à planície.
O PT enfrenta a 25ª hora. A maldição segue seu curso.

Augusto Nunes no JBONLINE